quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Conhecendo Paris

Ahh Paris! Para muitos o melhor pedacinho de terra deste mundo, um verdadeiro paraíso formado pelos lindos jardins, palácios, ruas très chics com suas lojas de grife e apinhadas de turistas, cafés e restaurantes super charmosos, tudo num clima assim tão... francês! Realmente, é impossível ir à Paris pela primeira vez e não se apaixonar!





A cidade é um destino muito procurado por brasileiros, apesar de encontrarmos ainda alguns empecilhos ao turistar por ali, sendo que o maior deles é o idioma. Muito se fala a respeito da "falta de simpatia" do francês, principalmente com turistas que não falam sua língua. Mas (graças!) isso está mudando a cada dia. Os parisienses estão começando a se acostumar com os turistas não-europeus, e, quem diria, sua paciência tem aumentado muito! Se você arranha um pouco no inglês, provavelmente conseguirá se virar com o básico.

A CHEGADA

Os voos que vem do Brasil chegam no aeroporto Charlles de Gaulle (CDG). Há voos diretos de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, pela Air France. Uma mão na roda pra evitar o cansaço. O táxi até o Centro da cidade custa entre 50 e 60 euros.

De lá há tambem opções de ônibus executivos (que custam entre 10 e 20 euros) que vão até o centro da cidade, de onde você pode continuar o trajeto até seu hotel de táxi. Veja as companhias Roissybus e o ônibus da Air France.

Mas a melhor opção é mesmo o trem. A linha RER B liga o aeroporto a diversas estações no Centro e o bilhete custa 12 euros. Mas atenção, dependendo da sua estação de chegada, pode ser necessário subir ou descer escadas, o que não é uma boa ideia pra quem está com muita bagagem! Por isso, antes de decidir pelo trem, vale a pena checar se seu hotel é próximo de alguma estação com acessibilidade.


ONDE FICAR

Paris é uma cidade bem espalhada, há vários pontos de concentração de hotéis, a escolha vai variar de acordo com a área em que você prefira ficar. Os mais caros, claro, estão nas proximidades da Torre Eiffel, e do Arco do Triunfo/Av. Champs Eliseé.

Mas há regiões bem interessantes para se hospedar, como o Quartier Latin, San German, Bastilha (regiões centrais e bem movimentadas a noite), Montmartre (mais distante, mas com muito movimento durante o dia, onde fica a catedral de Sacré Coeur e o Molin Rouge), dentre outros.

Para quem quer economizar um pouco mais, uma dica é ficar próximo à estação Gare du Nord, que apesar de não ser tão central, tem uma ótima concentração de transportes, seja por trem, para outras cidades e aeroportos, seja pelo metrô ou ônibus, para todos os cantos da cidade. Há várias opções de hotéis de rede na redondeza, como Ibis, Mercure, dentre outros.

Enfim, a dica principal é evitar a periferia. Prefira ficar dentro do "círculo" formado pelo anel viário da cidade, facilmente identificado no mapa. Assim você evita passar horas no trem para chegar nos pontos turísticos.

Já ficamos hospedados no Hotel Ibis Cambronne, que tem um preço ótimo e fica a uma distância caminhável da Torre Eiffel.

Já ficamos também no Hotel Design Sorbonne pois ficaria perfeito para explorarmos a região de Saint Germain e o Quartier Latin.


TRANSPORTE

"Paris é uma cidade para se conhecer à pé!" Você provavelmente já deve ter ouvido isso, e de fato, é verdade. Alem dos destinos famosos, cada passo do caminho em Paris é um charme à parte! Mas claro que para conhecer as regiões mais distantes do seu hotel você vai precisar de algum transporte.

O metrô de Paris não é tão bonito e organizado como o de Londres (com suas gigantescas escadas rolantes, limpeza impecável e design em forma de tubo), mas é tão prático e funcional como. Há muitas estações, que ligam todo o centro da cidade.

Há vários tipos de ticket para utilização do metrô. O individual, que custa por volta de 1,90 euros; um pacote com 10 tickets, que sai por 14,50 euros e pode ser usado por várias pessoas; e os cartões pessoais pagos por período e que incluem metrô e trens a vontade, inclusive para os aeroportos e destinos fora da cidade, como Versalhes e Disneyland (o preço varia conforme a quantidade de dias e os locais inclusos, veja os bilhetes "mobile" "Paris visite" e "navigo").

Particularmente, como viajo em casal, sem crianças e gosto de caminhar, prefiro comprar os pacotes de 10 bilhetes individuais. Assim garanto um certo desconto e apenas uso o metrô quando achar necessário.

Para quem prefere os táxis, os preços não são abusivos, tornando-os uma boa opção para as distâncias curtas e viagens noturnas. Mas tenha o endereço na ponta da língua, não são todos os taxistas que falam inglês!


PRINCIPAIS PASSEIOS

Em uma primeira viagem, de mais ou menos cinco dias, eu indicaria os principais pontos turísticos abaixo, organizados de acordo com a proximidade. Vale lembrar que o planejamento é o que faz uma viagem render! Comprar as entradas das atrações pela internet, por exemplo, nos faz economizar o tempo daquela fila interminável. Saber de pronto para onde vamos em seguida evita a situação de perder tempo escolhendo um destino em cima da hora, e ainda correndo o risco de dar com a cara na porta!

1- Torre Eiffel e Champs de Mars - Apesar de relativamente recente, se comparada com os monumentos milenares da cidade, a Torre Eiffel já se tornou o símbolo de Paris, e parada obrigatória número 1 da cidade. Datada de 1889, a estrutura tem três níveis acessíveis pelos turistas: o primeiro e o segundo, que podem ser acessados por escada ou elevador, e o terceiro e mais alto, apenas acessível por elevador. No primeiro andar, fica o restaurante 58 Torre Eiffel, onde há menus fechados a partir de 99 Euros. Os tickets de acesso à torre podem ser comprados on line, aqui.

A torre fica localizada em um grande campo, chamado Champs de Mars, onde uma horda de turistas se aglomera para tirar fotos e alguns se deleitam em um piquenique bem parisiense, regado a queijos e vinhos (ou mesmo champagne, para os mais abonados!)



Em frente à torre, no sentido do rio Sena, fica a Pont D'elena, e na outra margem, os Jardins do Trocadero, de onde se tem uma das melhores vistas da Torre.



Se for fazer toda a região, reserve um turno inteiro. Uma dica é subir na torre no fim da tarde, para ver o pôr-do-sol, e na descida aguardar o acender das belas luzes que piscam de hora em hora.



2- Arco do Triunfo e Champs Élysées: Construído como um memorial aos heróis de guerra, o Arco do Triunfo fica localizado na Praça Charles de Gaulle, em formato circular, de onde iniciam nada menos que 12 avenidas, entre elas a famosa Avenida Champs Élysées. Para subir no topo do monumento, só através de uma escada em espiral, com 284 degraus, mas a vista atinge quase todos os pontos de interesse da cidade.



Atravessando a grande rotatória que circunda a praça (não pela rua, mas pela passagem subterrânea!), você chega na Avenida Champs Élysées, que já é especial por si só, por ligar o Arco do Triunfo à Place de la Concorde e ao Louvre, contando com outros belos prédios, como o Petit e o Grand Palais. Mas a fama desta avenida vem mesmo da enorme concentração de marcas de luxo e restaurantes requintados. Pode parecer muita ostentação para os bolsos brasileiros na atual conjectura, mas vale super a pena o passeio, nem que seja só para comprar uma caixa de macarrons na Ladureé, ou tomar um belo chocolate quente em um dos charmosos cafés!




3- Museu do Louvre e Pont des Arts: Há quem diga que o Museu du Louvre exige um dia inteiro para ser visitado. Há os que acham impossível conhecer tudo em um único dia! E há os mais econômicos que conseguem se satisfazer com algumas horas... Dependendo do seu estilo, há uma sempre uma forma de combinar o Museu com seus arredores. Uma opção é seguir pelo Jardin des Tuileries até a Place de La Concorde (local de importantes eventos da História francesa).



Outra possibilidade é atravessar a Pont des Arts, que era famosa pelos milhares de cadeados deixados pelos casais apaixonados que ali passavam. Infelizmente o peso dos cadeados estava comprometendo a estrutura da ponte e eles foram retirados. Mas ainda assim, as belas vistas do rio Sena valem o passeio!



Porém, caso a visita ao museu tenha tomado todo o seu dia, aproveite para fechar o passeio com as clássicas fotos da região!




4- Notre Dame e Quartier Latin: A Catedral de Notre Dame é outro dos monumentos parisienses já conhecidos mundialmente. Ela fica localizada em uma pequena ilha, ligada por charmosas pontes às duas margens do Rio Sena (que rendem lindas fotos).



A visita à Catedral é gratuita, mas dependendo do horário você pode encontrar uma nem tão pequena fila na porta. No entanto, caso queira subir nas torres e ter uma linda vista da cidade, é preciso comprar um ingresso que custa 10 euros, e encarar 400 degraus. Nós não subimos, mas dizem que vale a pena o perrengue! Veja aqui o relato (e as fotos incríveis) do site Conexão Paris.



Atravessando o rio Sena no sentido Sul, você estará no bairro Quartier Latin, minha parte preferida da cidade! Trata-se de um conglomerado de ruelas em todas as direções (bem fácil se perder por aqui!), apinhado de restaurantes, lanchonetes, bares, vendedores ambulantes, e claro, muita gente! O movimento vai até altas horas da noite, e alguns bares recebem DJs e música ao vivo.



Perto dali fica o  Pantheón, monumento laico belíssimo do século XVIII. Planeje sua visita no Site oficial.



5- Jardin du Luxembourg e Saint Germain: Essa é uma das regiões mais charmosas de Paris! Comece com um passeio matinal pelo Jardin du Luxembourg. Se estiver sol, você provavelmente encontrará muitos parisienses se divertindo, lendo, ou simplesmente sentados apreciando a paisagem... Explore bem o Jardin, pois há muitas surpresas em cada cantinho!



De saída do Jardin pelo lado leste, em direção à Boulevard Saint Germain, você passa pela bela igreja de Saint-Suplice, rodeada de lojinhas e bistrôs.



Mais à frente fica a farmácia mais famosa entre os brasileiros: a Citypharmacie, parada obrigatória das blogueiras para compras. Só leve em conta o custo do euro antes de se empolgar demais...


Chegando à Boulevard Saint-Germain, você encontra a Abadia de Saint-Germain-des-prés, mais uma das lindas igrejas parisienses, de entrada gratuita. Bem em frente fica o histórico e requintado café Les Deux Magots. Como outra opção de almoço muito bom é, na rua de traz você encontra uma das filiais do Relais de L'entrecôte, onde o prato único é um bife de entrecôte com um molho delicioso de mostarda, acompanhado de batatas fritas ILIMITADOS (sim, eles repõem a carne e as batatas enquanto você aguentar comê-las!).




6- Basílica de Sacré Coeur e Montmartre: O passeio ao bairro de Montemartre grealmente exige que seja usado o transporte público, pois a região é um pouco mais afastada do Centro. A região pode ser alcançada de metrô (estação de Abbesses) ou ônibus. O ponto alto da visita é a Basíica de Sacré Coeur, que domina na paisagem da região, por estar localizada no alto de um morro. A subida de quem vem da estação de metrô pode ser feita por escadas ou por um funicular, que custa 1,90 cada trajeto.




A visita é gratuita, e as vistas da cidade que se tem do topo da colina são maravilhosas!



Após a visita, vale a pena fazer um passeio pelos arredores, que são quase um playground turístico, com várias lojas de souveniers, vendedores de rua, cafés e ótimos restaurantes.


Perto dali fica o Moulin Rouge, famoso cabaré do século XIX, tema de peças e filmes. Há vários espetáculos em exibição, mas os preços são salgados.





7- Palácio e Jardins de Versalhes

Um passeio bem requisitado por quem vai a Paris é uma day trip à cidade vizinha de Versalhes para conhecer seu Palácio e Jardins. O trajeto pode ser feito de trem, metrô ou ônibus. É bom reservar o dia todo pois além do Palácio principal, há ainda dois outros palácios (o Grand Trianon e o Petit Trianon) e grandiosos jardins que valem um passeio tranquilo com tempo para muitas fotos!



É fácil imaginar que a melhor época para esse passeio é a primavera e o verão. Mas fizemos a visita no  início do outono e os jardins estavam ainda belíssimos!




Você encontra um guia completo de como chegar à Versalhes e preciosas dicas para o seu passeio aqui!



Bom, claro que Paris tem ainda diversas outras atrações, algumas sazonais, outras permanentes, mas para uma primeira visita, creio que este roteiro é uma mão na roda! No verão, a cidade é muito quente e os parisienses sabem curtir o calor (tem até praia!). Recentemente fiz uma visita à cidade no inverno, e descobrimos novas e incríveis atrações. Mas isso tudo será tema de outros posts!

Por: Marcela Silva Bezerra 
   


quarta-feira, 18 de outubro de 2017

27 programas legais para se fazer em Londres!

1- Tomar uma Pint na calçada de um Pub no happy hour: Lá pelas 5h da tarde. Essa é a hora que os Londrinos lotam os Pubs. Uma região super charmosa e que ferve no happy hour fica nas proximidades da Carnaby Street, próximo à Oxford Circus. Por lá, além dos Pubs, você encontrará também alguns bares mais "cool", onde a galera mais refinada prefere uma tacinha de vinho branco ou rosé. Mas ainda assim, a trend é ficar de pé na calçada, claro! 

Obs: Pra quem não sabe, a "Pint" é a medida inglesa para se pedir chopp, equivale a uma caneca de um pouco mais de 500 ml. Você pode pedir uma Pint (leia-se páint), ou uma Half Pint (rálf páint - e NÃO RÉLF, please!) que é a metade disso, de cerveja, Ale (um pouco mais amarga), ou cider (uma espécie de cerveja de maçã, amo!).


2- Fazer um piquenique no parque num dia de sol: Você precisa de: sol, dinheiro, companhia, uma loja do Preat a Manger (ou Eat, ou M&S) e fome! Compre um sanduíche, ou uma salada, uma garrafinha de vinho ou suco, espalhe tudo na grama, sente, e aproveite!


3- Andar de barco pelo Rio Tâmisa: Há uma linha de barcos no Rio Thames que funciona como transporte, ligando as principais atrações turísticas da cidade que ficam às margens do Rio. Dois coelhos mortos de uma vez! Uma boa ideia é utilizar esse "transporte" (que tá mais pra um passeio panorâmico!) pra ir até Greenwich, começando na London Eye. Assim você vê a cidade praticamente toda, e já está no ponto para o próximo programa!





4- Tirar a clássica foto com um pé em cada hemisfério no Meridiano de Greenwich: Tá, esse é um programinha turístico infiltrado no nosso post, mas relevem! Além do transporte até Greenwich valer a pena, o local é um charme, vale apena conhecer o planetário, passear pelo parque, dar uma olhada no Museu Marítimo, no Greenwich Market, e na hora de voltar ao centro, seguir a próxima dica!

Obs. fique de olho no horário de funcionamento do Complexo do Meridiano, já dei com a porta na cara uma vez!


Museu Marítimo

5- Voltar de Greenwich pelo DLR no assento da frente: Essa é meio bobinha, mas se você conseguir o assento da frente deste trem (que não tem maquinista), você terá uma sensação bacana de estar em uma montanha russa, principalmente no trecho das Docklands, quando você vai literalmente "entrar" nos grandes arranha-céus do mais novo distrito financeiro da cidade, sem contar que a vista é bem legal! Procure a estação, que fica próximo ao rio. A linha vai até Bank, de onde você pode pegar o metrô. Dá pra usar seu Oyster card no DLR. Evite o horário de pico (por volta das 5h da tarde), ou seu trem vai ser invadido por uma multidão de engravatados e executivas de saia e salto!


6- Passar um domingo nos mercados do leste da cidade: Domingo é o dia oficial dos mercados em Londres! E os mais legais ficam na região leste da cidade, nas proximidades da estação de Liverpool Street, na rua Bricklane e pelo bairro de Shoreditch. Um roteiro bem legal é o descrito pelo blog "Londres para principiantes", que indica começar pelo Columbia Road Flower Market, um mercado de flores e brechós, passando pelo Brick Lane Market, onde você pode provar pratos do mundo inteiro (o forte da região é comida indiana e asiática, vale a pena perder o medo e experimentar!), fechando com o Old Spitafields Market, super charmoso, com todo tipo de coisa, de roupas a antiguidades, e onde há vários restaurantes de rede, caso prefira uma refeição mais "normal", o que eu fortemente não indico! O bom é comer nas feiras, e provar o máximo que você conseguir! Ah, guarde um espaço pras "dutch pancakes", são perfeitas!!

Old Spitafield Market

Brick Lane

Feirinha na Brick Lane

7- Interagir com os veados no parque de Richmond: Destino final a oeste da District Line, Richmond é um charme! Às margens do Rio Tâmisa, há bares, lojinhas, e um passeio lindo, de onde pode-se observar os vários barquinhos e os cisnes que habitam aquela região do rio. Pertinho dali, no Richmond Park, os veados andam soltos, e é possível interagir com eles! 

Richmond Park

Fim de tarde em Richmond

8- Fazer um Pub Crawl! Para os baladeiros de plantão ou pra quem dá valor a uma boa cervejinha, a melhor forma de conhecer a típica noite londrina é através de um pub craw. Trata-se de um "tour" organizado por algumas agências onde um guia te leva em cinco, seis, ou até mais pubs, onde você tem acesso gratuito e ganha desconto em bebidas, ou shots de cortesia. Geralmente o grupo é grande, tem gente do mundo todo, e as pessoas acabam se conhecendo, trocando idéias, bem legal pra quem gosta de fazer amizades! Os primeiros pubs são geralmente mais tranquilos, ambientes legais para sentar e tomar uma pint. Com o passar das horas (e das doses), a noite vai esquentando, e o último pub geralmente é uma baladinha que dura até o amanhecer!


Cheers!

9- Alugar uma bike e rodar o Hyde Park pedalando: Londres tem aquele esqueminha MARA de aluguel de bicicletas, há por toda a cidade, inclusive dentro de alguns parques. Acho o Hyde Park o melhor para pedalar, pois os caminhos são amplos e bem sinalizados. Sem falar na delícia do visual!


10- Jantar em um restaurante panorâmico e ver a cidade do alto: As vistas são estonteantes, mas prepare o bolso, os preços também!! Sugestões de restaurantes: Sushi Samba, The Duke and Waffle, Vertigo 42, restaurantes da OXO Tower e do The Shard.

Vista do Sushi Samba

11- Provar o chá da tarde: Nada mais britânico, o chá da tarde na verdade é muito mais que um "cup of tea". É um verdadeiro banquete, que inclui sanduíches frios, os famosos scones (uma espécie de pão doce recheado de frutas), e doces, muitos doces! As poções geralmente são muito bem servidas. Os hotéis mais tradicionais tem seu Chá da Tarde, também tradicional, mas cuidado, são beeem salgados! Mas há espalhados pela cidade muitas outras opções mais acessíveis, onde dá pra sentir o gostinho da realeza sem precisar deixar metade do seu salário pra rainha... Se você leitor sabe de algum "achado", deixe a dica ali nos comentários! Um lugar que achei super bacana pra unir turismo + vista bonita + chá da tarde não muito caro é o restaurante que fica na National Portrait Galery (museu de quadros fotográficos, muito legal), que fica por trás da National Galery na Trafalgar Square. Show!

Tradicional Afternoon Tea

Restaurante da National Portrait Galery

12- Andar na primeira fila do andar de cima do ônibus: seja pra onde for, corra na frente de todo mundo, suba as escadas, pegue o banco da frente e curta a vista privilegiada da uma das cidades mais lindas da Europa! Sightseeing bus, see you next time! Kkkkkkk



Separados por 25 libras!

13- Comer muffin de blueberry até abusar: A culinária britânica não é das mais aclamadas do mundo, mas temos que convir, os ingleses sabem fazer um bom doce como ninguém! E o Muffin de Blueberry é o meu preferido, e você acha em qualquer buraco! Peça pra acompanhar um bom chá e aproveite enquanto está por aqui!!


14- Correr para os museus na hora da chuva: A quantidade de chuva que você pode encontrar em Londres é diretamente proporcional à quantidade de opções de Museus ótimos (e gratuitos!) que a cidade te oferece! A maioria fica na região de South Kensinghton - Museu de História Natural, Museu de Ciência e Victoria and Albert Museum. Pelo centro está o British Museum, o maior e mais completo da cidade, a National Galery e National Portrait Galery. Mais a leste está o Museu de Londres, Museu de Guerra e o Tate Modern (arte moderna). E esses são só os principais!

British Museum

Natural History Museum

Victoria and Albert Museum

15- Correr para os parques na hora do sol: vai por mim, Londres vai te causar uma sensação inédita de necessidade urgente de vitamina D! Quando o sol finalmente despontar no horizonte, corra (literalmente, nunca se sabe quanto tempo isso vai durar) pro parque mais próximo! Aproveite as cadeiras de sol espalhadas pelos maiores parques da cidade, ou deite na grama mesmo!


16- Se esbaldar com um waffle de nutella em uma esquina qualquer da cidade: pra mim, o waffle está para Londres assim como o crepe está para Paris e o churros para o Brasil! Nos locais movimentados é bem fácil achar uma barraquinha. Não se preocupe, o cheiro vai "puxar" você pelo ar, que nem desenho animado!



17- Assistir a uma peça de pé na platéia do Shakespeare Globe: Este teatro foi construído tendo como base o modelo original do Teatro construído por Shakespeare. A maioria das peças que rolam aqui são do próprio. Há assentos do tipo arquibancada, e o centro do teatro é ocupado por pessoas em pé, da mesma forma que ocorria lá no Século XVI! O Shakespeare Globe só funciona entre a primavera e o outono, verifique as datas!



18- Alugar um carro e dirigir do lado direito: Pode ser pra dar uma voltinha no campo, ou em ir a alguma cidade próxima. Mas não entre no centro, pois há uma taxa nada barata para circular por lá..


19- Assistir a um musical: Pode ser considerado um programa turístico, mas acredite, há certos musicais em que a grande maioria do público é de locais! Se já souber qual peça quer assistir, compre antecipado pelo site oficial. Caso queira decidir em cima da hora, vale a pena ver os descontos do TKTS, que fica na Leicester Square, onde algumas peças do próprio dia saem a preços muito bons!


20- Comer o dia inteiro no Preat a Manger! Acredite, não vai ser difícil. Em qualquer lugar da cidade você provavelmente estará a no máximo um quarteirão de algum. Seja no café da manhã, almoço, lanche ou jantar, sempre há uma opção deliciosa!


21- Curtir uma noitada no Soho e voltar pra casa de nightbus! Após a meia noite o Tube (metrô de Londres) não funciona (com exceção de algumas linhas na sexta e sábado), o que faz do nightbus a extensão oficial da balada londrina! Quanto mais tarde, mais divertido fica o busão!! Yohoo!!


22- Fazer um passeio pelo Regents Canal em Little Italy: pode ser a pé, seguindo a margem, ou em algum barquinho, que pode te levar até Camden Town! A região é um charme, e há várias pessoas que de fato MORAM no canal, dentro dos barcos!


23- Subir no Primrose Hill e curtir a vista panorâmica da cidade: O Primrose Hill é um parquinho bem pequeno que fica ao norte de Londres, próximo a Camden Town. O charme do lugar é que subindo um pequeno morrinho você tem uma vista privilegiada do centro da cidade e todos os monumentos famosos de uma só vez!



24- Brincar com os esquilos no St James's Park: mas cuidado, eles mordem! Rss


25- Tomar chá pra despertar, tomar chá pra relaxar, tomar chá pra esquentar, tomar chá pra refrescar, tomar chá pra emagrecer, tomar chá pra gripe, resfriado, azia, má digestão, dor de cabeça... e tomar chá porque tá com vontade mesmo. Afinal uma hora você acaba se acostumando com a ideia.



26- Fazer um tour pelas "Street Arts" de Shoreditch: Bairro mais cool da cidade, Shoreditch tem feiras ótimas, bares e restaurantes do momento, e um estilo próprio, criado principalmente pelas Street Art que encontramos por ali. Há empresas que organizam walking tours guiados específicos para conhece-los, muito legal!




27- Visitar os estúdios do Harry Potter: Se você é fã, provavelmente já agendou antes de sair do Brasil! Mas até pra quem não é assim tão fanático, mas assistiu aos filmes, é um passeio muito interessante! Veja maiores detalhes de como comprar o ingresso e do transporte até o local (é um pouco afastado do centro) no Site Oficial.














Por: Marcela Silva Bezerra