segunda-feira, 29 de maio de 2017

Londres - Como chegar e onde se hospedar

Continuando as dicas sobre Londres, vamos ao básico!

A Chegada:

Se seu voo do Brasil é direto para Londres, provavelmente você chegará pelo aeroporto de Heathrow. Ele é maior aeroporto da cidade e um dos mais movimentados do mundo. E, apesar de ficar um pouco longe do centro (uns 25 km), tem ótimas conexões com a cidade. 


Existem vários serviços de transfer, muitos organizados pelos próprios hotéis, ou empresas particulares, que saem mais em conta que os táxis. Se a turma for grande, vale a pena dar uma pesquisada, pode compensar. Já usei um deles, agendei pelo site: www.taxi-airports-transfer.com, e eles foram em casa me buscar e deixaram no aeroporto, tudo certinho!

Há também um trem expresso que vai até a estação de Paddington, o "Heathrow Express", que é mais ágil (apenas 15 minutos), pois evita o engarrafamento e não tem paradas. Porém, ao chegar à estação você terá que completar o transporte até seu hotel, que pode ser por metrô (na estação de Paddington passam várias linhas de metrô), táxi, ou mesmo a pé, se seu hotel for nas redondezas. O custo do bilhete individual do trem expresso é 22 libras, 37 ida e volta.




A opção mais barata, no entanto, é o clássico metrô. O aeroporto de Heathrow é o ponto final de uma das "pernas" da linha Picadilly (a linha azul escura nos mapas do metrô), que percorre o centro da cidade quase todo, com várias paradas. O acesso ao metrô no aeroporto é excelente, com elevadores, escadas rolantes, vários guichês. Como é a primeira parada, os trens ficam na maior parte do tempo parados, esperando o horário de sair, e saem geralmente vazios. A desvantagem deste transporte é que, além de parar muitas vezes, dependendo do horário os trens podem ficar beeem lotados, e se você estiver com muita bagagem isso pode atrapalhar um pouco. Outro fator que pode complicar é o acesso à estação que você vai descer. Algumas estações possuem elevadores de acesso à plataforma, mas não são todas. No mapa do metrô de Londres, que você encontra aqui, dá pra pesquisar quais são elas, elas geralmente tem um símbolo de cadeirante preenchido de azul, que indica que é servida por elevadores até o trem. Se não for o caso, conte com alguns degraus carregando malas (mas não muitos).

Acesso ao metrô

Cada terminal tem sua estação


Interior do trem da Picadilly Line

O bilhete de metrô pode ser comprado individualmente, ou você pode adquirir um cartão (chamado Oyster) e carregá-lo com uma quantia qualquer, gastando à vontade enquanto você usa o metrô, ou carregá-lo com um "passe livre", que pode ser diário, semanal ou mensal. O bilhete individual do aeroporto ao centro custa entre 3 e 6 libras, dependendo do horário e do local de descida, o passe diário custa 8,90 libras para se movimentar entre as zonas 1 e 2, e o semanal, nas mesmas zonas, 31 libras. 

Se você está chegando a Londres de outras cidades da Europa, seu voo pode parar em outros aeroportos, como o de Luton, Gatwick, ou Stansted. 

De Luton, que fica a 55 km a norte da cidade, sai um trem em direção à estação de Kings Cross, com a duração de 50 minutos, e custo de aproximadamente 13 libras. Há um microônibus que te leva até a estação. A estação de Kings Cross é a mais atendida pelas linhas de metrô da cidade, e o entorno é bem servido pela rede hoteleira.



De Gatewick (45 km ao sul), o trem "Gatewick Express" vai até a estação de Victoria (atendida por 3 linhas de metrô) em meia hora, com o bilhete custando por volta de 18 libras. 

Por fim, Stansted (55 km a nordeste) também tem sua linha de trem expresso, que faz a ligação até a estação de Liverpool Street em 46 minutos e a 21 libras o bilhete.

Há também linhas de ônibus expressos que saem de alguns pontos do centro em direção aos aeroportos. A companhia mais famosa é a National Express.



A imigração:

Atenção! A imigração em Londres tem a fama de ser a pior da Europa! Dicas valiosas: tenha em mãos a passagem de volta, a reserva do hotel, ou uma "carta-convite" se for ficar hospedado na casa de alguém. Facilita muito a vida! Eles provavelmente farão algumas perguntas, mas um inglês básico dá conta.

Onde ficar:

A rede hoteleira de Londres é bem eclética. Há opções para todos os gostos e bolsos. Mas não espere nenhum precinho camarada.. Londres é uma das cidades com hospedagem mais cara do mundo! Os hotéis mais baratos certamente faltarão em conforto, comodidades e localização.

Os hotéis são bem espalhados pela cidade, e há boas opções em vários bairros. As regiões mais caras são: Mayfair, Westminster e Kensington, pois ficam bem perto do movimento da cidade. Mas há muitas boas opções nos arredores, Marylebone, Earl's Court, Padington, King's Cross, etc.

Se seu budget está bem folgado, aproveite para escolher um hotel bem alto, com uma boa vista da cidade, e pelo "centrinho" mais badalado (próximo à Picalilly Circus, Leicester Square, Covent Garden, Oxford Circus), ou se preferir mais tranquilidade, algo próximo ao Hyde Park, região super charmosa! Os hotéis nestas regiões variam entre 200 e 400 libras a diária, coisa que infelizmente eu nunca pude pagar, portanto vou ficar devendo pra vocês o relato de como seria uma hospedagem de rei na terra da rainha! rsss! Mas se quer algumas dicas de hotéis de luxo veja esse site. Quem tem mastercard black ganha desconto nestes hotéis, além de vários outros benefícios!

Hotel Corinthia (divulgação)

Hotel ME London (divulgação)

The Ritz London (divulgação)

Nas vezes que fui a Londres como turista, preferi ficar próximo a uma boa estação, com muitas linhas de metrô. A minha preferida é a Kings Cross. Acho que todas (ou quase todas) as linhas passam lá. E nos arredores existem muitos hotéis mais econômicos, que se forem reservados com antecedência são uma mão na roda! 

Estação de King`s Cross



A Plataforma do Harry Potter fica aqui!


Fiquei duas vezes no Crestfield Hotel, que fica na rua de mesmo nome, a uns 50 metros da estação de Kings Cross/St. Pancras. Esta estação também recebe trens nacionais e internacionais (inclusive o famoso Euro Star que vem de Paris). O que significa que se você chegar por aqui, seja de trem, seja do aeroporto de Heathrow pela Picadilly Line, você só precisa andar por 3 minutos que está no hotel!

Crestfield Hotel

O hotel tem 3 andares e atenção: não tem elevador. Poucos nessa redondeza tem essa regalia. Se for possível, chegue cedo e peça um quarto no térreo, para poupar o esforço de ter que carregar sua mala. O quarto é pequeno, mas limpo e organizado. Tem uma bandeja com café/chás. O café da manhã é incluso e gostoso. Mas não espere muita gentileza dos funcionários por aqui... O inglês é um povo muito educado, mas bem seco. As diárias variam entre 60 e 90 libras por dia, dependendo da época e da antecedência. Há também opções de quartos desde individuais e até para 4 pessoas, com ou sem banheiro. 


Varandinha do hotel


Quarto Duplo

Mas, repito, qualquer hotel que fique próximo a alguma das estações atendidas pela Picadilly Line, que tenham acesso por elevador até o trem, cumpre bem o papel de uma boa hospedagem e facilitam em muito o transporte ao aeroporto e pela cidade em geral!

Por fim, se ainda nessas regiões você não encontrou um hotel que caiba no seu orçamento, a dica que eu dou é procurar algo um pouco mais a oeste, em Earl's Court, ou no máximo em Hamersmith, que já é Zona 2 (as zonas de Londres são circulares, a Zona 1 é o "centro", a 2 é segunda mais próxima e por aí vai), mas é uma região bem legal, e com alguns atrativos bacanas. Ao norte há também regiões boas, como Camden Town (mais movimentada), Belsize Park e Hampstead (mais tranquilas). Não indico Hotéis que fiquem a partir da Zona 3, pois você gastará muito tempo e dinheiro com transporte, ou seja, é uma economia que não vale a pena!

Se a estadia em Londres for mais longa, vale a pena alugar quartos ou kitnetes por preço semanal, há muitas opções. Mas isso vai ser assunto para um outro post!

Bom, espero ter ajudado, e qualquer dúvida, basta perguntar aqui nos comentários!


Por: Marcela Silva Bezerra