quarta-feira, 15 de março de 2017

Buenos Aires: o básico e o não-tão-básico!

Em tempos de dólar a 3,50 e euro a 3,80, viajar para o exterior se tornou um sonho ainda mais inalcançável para a maioria dos brasileiros.

Mas espera lá, não podemos esquecer dos nossos vizinhos queridos da América do Sul, cada um com seus vários encantos e opções para todos os gostos!

Pra começar, quem não pensa em Buenos Aires? Um dos destinos mais próximos, mais baratos, com grande oferta de voos, e com todo aquele charme oriundo da época de ouro da Argentina. Pra facilitar ainda mais pra gente, o peso argentino continua bem barato em comparação com o real!

Há voos diretos para Buenos Aires saindo de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Porto Alegre, e mais recentemente, de Recife. As promoções para a capital da Argentina são frequentes, chegando a valores incríveis (já comprei ida e volta de Brasília por R$ 273,00 mais taxas!). Para ficar sempre por dentro das promoções, visite o Site Melhores Destinos, eles sempre publicam em primeira mão!

Chegando:

Em Buenos Aires há dois aeroportos: Ezeiza, que fica a 22 km e aproximadamente uma hora do centro da cidade, e o Aeroparque, que fica na cidade, uns 10 a 15 minutos do bairro Palermo. Bom, é de se imaginar que os voos mais baratos acabam chegando em Ezeiza, mas isso não é regra. Ao comprar sua passagem, além do preço, atente para o aeroporto de chegada e acrescente o valor do deslocamento para ver se compensa. Outro detalhe importante é que o free shop em Ezeiza é beeem maior que o do Aeroparque, então se você tem intenção de gastar por lá, leve isso em consideração.

Para ir dos aeroportos até o hotel, há diversos serviços de transfer que fazem o trajeto a preço fixo. É uma boa pra quem chega por Ezeiza, pois o táxi de lá é uma pequena fortuna (veja os valores no site Táxi Ezeiza). Mas do aeroparque quase sempre não compensa, depende de onde for seu hotel. Se for pelo Palermo ou Recoleta, pegue um táxi. Se for mais longe, confira os valores dos transfers e compare. Os hotéis geralmente oferecem este serviço. Se for pegar táxi, prefira os oficiais do aeroporto, onde você paga antecipadamente, e não corre o risco de ser enrolado pelo taxista (o que acontece bastante em Buenos Aires, infelizmente...).

Câmbio:

Os brasileiros que vão pra Argentina costumam estranhar o câmbio paralelo, pois não somos acostumados com ele por aqui. O que acontece é que o câmbio oficial (imposto pelo governo) é incrivelmente diferente daquele praticado nas ruas. Quando falo nas ruas, incluo também restaurantes, hotéis, e aquela troca clandestina de moedas, em casas de câmbio não oficiais, ou na rua mesmo.

Para se ter uma ideia, na última vez que fui a Buenos Aires, a cotação oficial era de 1 real para 2,90 pesos mais ou menos, enquanto compramos lá por 1 real a 4 pesos!

Existem brasileiros morando em Buenos Aires que trabalham com isso, e com a indicação é mais fácil confiar. Você pode combinar com a pessoa de lhe encontrar no hotel, ou em qualquer lugar. Veja algumas sugestões de quem já fez o câmbio paralelo aqui.

Onde ficar:


Principais bairros turísticos de Buenos Aires

A escolha da hospedagem em Buenos Aires vai depender de alguns fatores. É a primeira vez que você vai, e você faz questão de bater ponto em todos os pontos turísticos mais famosos? Sua viagem é mais econômica? Se a resposta for sim para as duas perguntas, então o lugar ideal pra você ficar é o Centro, onde há linhas de metrô a vontade, sem contar que dá pra conhecer muita coisa à pé mesmo. Os hotéis aqui tem um preço bom, e tem muitas opções de grandes hotéis de rede, aqueles prédios altos com saguões enormes... Mas um detalhe: a região é meio esquisita a noite, e pode-se dizer que não tem o "charme" de Buenos Aires...

Centro de Buenos Aires - Ruas largas, metrô acessível, pontos turísticos a alguns passos, muito movimento de dia, mas nada à noite...


Se é sua primeira vez, mas você também quer conhecer, além dos pontos turísticos do centro, os locais mais legais da cidade, recomendo que fique na Recoleta, que fica a uma distância pequena do centro, mas que é um dos bairros mais lindos da cidade! Sem contar que ficando ali você está perto do famoso Cemitério da Recoleta, do Jardim Japonês, e a uma curta distância do bairro mais cool da cidade: o Palermo. A desvantagem da Recoleta é que o metrô fica um pouco mais longe, dependendo do seu hotel.

Recoleta- prédios médios, parques, feiras e muito verde!


Agora meu queridinho mesmo é o Palermo, recomendo demais ficar por aqui quem já conhece o lerê básico do centro, ou que não faz tanta questão de andar muito por ali (tirando um dia inteiro já dá pra conhecer o principal). O Palermo é mais distante do centro, mas fica bem próximo do Aeroparque. O ponto negativo é que, na parte mais legal do bairro não tem metrô, o que nos faz depender do táxi para distâncias mais longas. Mas isso não é um problema, pois táxi em Buenos Aires não é caro. Só precisamos ficar alertas aos taxistas espertinhos que gostam de trocar as notas e fazer você de bobo... Mas vai por mim, você não vai querer sair muito de lá! É um bairro super charmoso e animado, a qualquer hora do dia. Onde estão os melhores restaurantes da cidade, as lojas de grife, os bares mais animados e algumas baladinhas que duram até o dia seguinte. Lembro de voltar à pé para o hotel às 6h da manhã e as ruas estarem totalmente lotadas de jovens!

Palermo Soho - movimento o dia todo!

Bares, restaurantes, lojas, e hotéis boutiques


Saiba que o Palermo na verdade se divide em 3: Palermo Viejo (colado na recoleta), Palermo Soho (onde se concentram as lojas, bares e restaurantes) e Palermo Hollywood (mais distante, mas onde a noite é bem animada). Eu fiquei hospedada duas vezes no Palermo Soho, uma delas no Mine Hotel, e a outra no Hotel Nuss. Os dois, como quase todos no Palermo (há restrição na altura dos prédios por aqui), são hotéis boutique, pequenos, mas super charmosos, e ficam bem no miolo do bairro, dá pra fazer muita coisa à pé!

Hotel Nuss

Hotel Nuss

Hotel Mine

Hotel Mine


Turistando:

No Centro ficam a maioria dos pontos turísticos de Buenos Aires mais conhecidos aqui no Brasil: A Casa Rosada, o Obelisco, a Rua Florida (para fazer compras), a livraria El Ateneo, o Teatro Colón, e Puerto Madero. Dependendo de seu preparo físico, dá pra conhecer tudo em um dia só! Recomendo começar pela manhã na Casa Rosada, Obelisco, passear pela Florida, almoçar em Puerto Madero, dar uma volta à tarde pela região, e encaixar mais lugares que você faça questão.

Um local que está fora do roteiro básico e visitamos da última vez (e adoramos), foi o Museu do Bicentenário, que fica atrás da Casa Rosada, na área onde ficava uma Fortaleza, onde as estruturas originais foram restauradas. Ele é gratuito e conta com maestria a História da Argentina.

Casa Rosada

Museu do Bicentenário

Museu do Bicentenário


Obelisco


Livraria El Ateneo

Rua Florida

Galerias Pacífico - o "Shopping" do centro

Ah, não deu tempo de visitar Puerto Madero durante o dia? Também vale super a pena uma visita noturna, o visual é lindo!

Puerto Madero

Puerto Madero


Outra região bem turística é o bairro La Boca, onde fica o "El Caminito", aquela rua com as casinhas coloridas. Esteja preparado para o assédio quase sem noção dos dançarinos de tango, vendedores, e outros tipo de pega-turistas. Esta região não me pareceu muito segura, portanto evite andar à pé por fora da região mais movimentada. Próximo dali fica o Estádio do Boca Juniors, e a Feira de San Telmo (antiguidades), que ocorre aos domingos.

El Caminito


O mico faz parte! rs

Museu do Boca

La bonbonera - estádio do Boca Juniors

San Telmo

As estátuas que dançam tango em San Telmo

Feira de Antiguidades

Na recoleta parada obrigatória é o cemitério. Apesar de meio sombrio, achei bem interessante, pelo menos para mim que nunca tinha visitado um cemitério "vertical", com esculturas, câmaras gigantescas, caminhos que se perdem em labirinto... Demonstra mais uma vez uma época em que o dinheiro na Argentina estava sobrando, e até na hora de morrer havia luxo e status!

Na região em volta, o movimento é grande, tem uma feira, um centro comercial (onde está o Hard Rock Café) e, atravessando a rua, você chega a um parque onde está a famosa Rosa de Metal, que abre e fecha as pétalas de acordo com a luz do sol.

Cemitério da Recoleta

Cemitério da Recoleta


Buenos Aires Design - Hard Rock Café

Floralis Generalis

Floralis Generalis


Na divisa entre a Recoleta e o Palermo fica uma grande área verde, onde está localizado o Jardim Japonês. A entrada é paga, mas o local é muito lindo, e ocorrem vários eventos ligados à cultura japonesa.


Jardim Japonês

Jardim Japonês

Jardim Japonês

Como já disse, eu incluiria sim um passeio pelo Palermo Soho, mesmo em uma primeira visita, para quem tiver um dia sobrando (uma tarde/noite, pra ser mais específico), ou para quem já conhece o centro e quer ver a parte mais legal da cidade.


Diversão:

Como já deu pra notar, além dos pontos turísticos, Buenos Aires tem muitas opções para quem quer se divertir, desde restaurantes ma-ra-vi-lho-sos, passando por shows de tango, bares, até as baladinhas para todos os gostos!

Sobre os shows de tango, há opções para todos os gostos (e bolsos). O mais famoso é o Señor. Tango, que é apresentado em um grande teatro, com ares de superprodução. Eu nunca fui, então não posso dizer se vale ou não a pena, por ser um dos mais caros da cidade. Há opção que inclui o jantar, ou somente o espetáculo. Mas quem escolhe essa segunda opção acaba pegando as mesas mais ao fundo, cuja visão não é das melhores. Maiores informações aqui.

Quem procura um show mais acessível pode buscar no Teatro que fica dentro da Galerias Pacífico, há shows diários lá com preços bem bacanas. Veja o relato detalhado do Ricardo Freire

Há também diversas opções de shows mais privados, como o que eu assisti, no subsolo do Café Tortoni. Aliás, este Café, tradicional em Buenos Aires, é uma boa pedida a qualquer hora do dia, seja para o café da manhã, almoço ou um jantar pré-tango. Só fique preparado para a lotação, se for possível faça reserva!

Palco do show de tango do Café Tortoni
  
Sobre os restaurantes e bares, a grande maioria fica concentrada no Palermo, seja no Soho, ou no Hollywood (que infelizmente não tive tempo de conhecer..). Há opções também em Puerto Madero, bom pra quem está hospedado no Centro, mas são bem no estilo "turistão", com preços não tão camaradas... 

Seguem algumas sugestões que pude provar nas últimas visitas:








Sobre as baladas, há também muitas opções de bares que fervem até mais tarde no Palermo, geralmente em um subsolo bem escondido, algumas até com senha para entrar! Há também grandes discotecas, como a Pacha, que fomos na última visita. Ela é bem grande, com espaços normal e VIP, e bem naquele estilo "super-lotada". Se puder, fique na área VIP, não custa tão caro e dá pra respirar! 


Pacha - quase em frente ao Aeroparque

Pacha


Arredores: 

Eu particularmente acho que Buenos Aires já tem programação para bastante tempo, mas há quem queira encaixar no roteiro programas nas redondezas da cidade.

Há o polêmico Zoológico de Luján, onde você pode dar leite aos tigres "inofensivos" - mas que na verdade estariam dopados durante o dia todo, pra evitar acidentes... Bom, não fui ver com meus próprios olhos para emitir alguma opinião!


As cidades de Tigre e Colônia de Sacramento também ficam próximas, e há empresas que fazem passeios de um dia. 

Bom, é isso! Qualquer dúvida deixem nos comentários!!


Por: Marcela Silva Bezerra