quarta-feira, 17 de agosto de 2016

London Calling

Muita gente estava me pedindo este post. Na verdade eu mesma já estava me cobrando por este post desde que criei o blog. Porquê? Quem não me conhece não pode imaginar o amor que eu tenho por esta cidade. Um amor que foi sendo desenvolvido devagarinho nos últimos 10 anos, mas que tenho minhas desconfianças de que vem de outras vidas! Desde criança sempre gostei das músicas britânicas sem nem ao menos saber de onde elas eram. Vivia repetindo que queria fazer intercâmbio em Londres, e quando o tempo foi passando, tudo foi fazendo cada vez mais sentido...

Mas minha paixão e interesse conscientes por Londres começaram a surgir através da literatura e do cinema. Desde mais nova, alguns filmes como O diário de Brigit Jones, Um lugar chamado Nothing Hill, Closer, Simplesmente amor, dentre outros, já eram meus preferidos. Quando comecei a conhecer a literatura inglesa, e com ela a História da Grã-Bretanha, o lance virou amor! rss.. Li vários livros de Philipa Gregory sobre o período Tudor, o misto de História e lenda nas Brumas de Avalon, alguns clássicos como Persuasão, de Jane Austen, e Jane Eyre, de Charlotte Bronte, e as jóias da modernidade, como Harry Potter (outra grande paixão!). Todos eles acompanhados de seu filme, e amplamente discutidos em nosso Clube do Livro!

 Harry Potter e a Pedra Filosofal

 O diário de Brigit Jones

 007 - Operação Skyfall

Um lugar chamado Nothing Hill

 A outra (do livro A irmã de Ana Bolena)

Jane Eyre

Enfim, foi após todo esse preparo cultural que visitei Londres pela primeira vez, em 2011. Já era de se imaginar que eu iria amar a cidade. Mas nunca imaginei que seria tanto. Principalmente já conhecendo a fama do clima frio e muito chuvoso, que pra quem sempre morou num calor de rachar poderia parecer um banho de água fria (literalmente)! Mas posso dizer que tive um pouco de sorte (aliada a um bom planejamento, claro). Tentei conhecer a cidade no verão (ou o mais próximo que os britânicos têm disso), peguei um pouco de chuva nos primeiros dias, mas só! Fiquei por lá um pouco mais de um mês e a tão famosa chuva não mostrou mais sua cara. Pronto, era o que faltava pra me apaixonar de vez!

Tower Bridge

Palácio de Westminster

London Eye


O maior clichê que a gente vê nas descrições de Londres é o que ela tem de mais verdadeiro: a dicotomia entre o tradicional e o moderno, o conservado e o tecnológico, a forte cultura local e a multi-diversidade. Em uma pequena caminhada você pode passar por igrejas de mais de um milênio de vida e prédios e pontes com os designs mais arrojados do planeta. Palácios milenares como o de Westminster (onde fica o Big Ben) dividindo o cenário com uma das maiores e mais modernas rodas-gigantes do mundo. Toda a educação e tradicionalismo dos ingleses em choque com as mais diversas raças, religiões, línguas e estilos (Londres é sem sombra de dúvidas a cidade mais cosmopolita do planeta, cheeeia de imigrantes do mundo todo). Enfim, coisas que só se vê em Londres.

Saint Paul Cathedral

St. Paul e a Ponte do Milênio


O Big Ben e a London Eye

Londres é uma cidade de simbolismos, que mexem com seu subconsciente. A tradição é tanta que formou verdadeiros emblemas da cidade, como a cabine de telefone vermelha, o símbolo do metrô, a figura dos ônibus de dois andares, o táxi preto, o guarda da rainha, dentre outros. Estes símbolos trazem alegria instantânea pra quem é apaixonados pela cidade!








Para quem vai a Londres pela primeira vez, um conselho que posso dar para que a visita seja tão emocionante como a minha foi, é um só: leia, leia muito a respeito da cidade, sua História, os fatos que ocorreram em cada local turístico que você vá visitar. As vezes essas informações todas estão inclusive naquele guia turístico que você comprou mas está com preguiça de ler. Veja filmes, se possível! Afinal, uma coisa é você entrar em uma igreja com vários túmulos de pessoas que você não faz ideia de quem sejam, entrar em castelos e olhar mobília velha, quadros desconhecidos nas paredes. Outra bem diferente é dar de cara com um personagem famoso, o qual você sabe tudo a respeito, imaginar cenas de um livro ou um filme se desenrolando ali, no mesmo jardim em que você passeia, pensar no quanto de História cada pedacinho daquele chão já viveu... Claro, isso vale pra qualquer lugar, mas vai por mim, a História da Grã-Bretanha é encantadora e super envolvente! Os museus são também espetaculares e a maioria, acredite, é free!

Com relação à outra parte da cidade, a moderna, luminosa, agitada e cosmopolita, o conselho é mais simples: Just enjoy it! Londres é uma super metrópole e oferece tudo que uma super metrópole tem a oferecer. Grandes lojas de departamento, bairros inteiros dedicados a compras, como a região da Oxford Street e Covent Garden, um distrito teatral que só perde para Nova York, restaurantes magníficos (com culinárias do mundo todo) e claro, os milhares de Pubs, que fervem no Happy Hour!


Picadilly Circus

 Chinatown

 Um dos vários teatros da cidade

 Distrito Teatral

Soho - o paraíso dos jovens

Mas Londres tem sim suas regrinhas próprias, dicas fundamentais que só aprendemos na prática, e que vou tentar passar pra vocês nos mais diversos posts que minha cidade favorita ainda vai render! =D

E então, Londres está chamando... Vamos?


Por: Marcela Silva Bezerra

  

Um comentário: