quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Itália - as cores, sons e sabores do paraíso!

Este blog, que tem a grande pretensão de falar dos prazeres que nos tocam os cinco sentidos, faz surgir de cara uma dúvida igualmente grandiosa: por qual dos sentidos começar?

Na verdade toda essa “pretensão” é uma despretensiosa tentativa da autora que vos fala em dividir algumas experiências adquiridas ao longo de sua jornada pelo mundo. E, posso lhes dizer, se há neste mundo um lugar que reúne o deleite supremo de cada um dos cinco sentidos, ah, sem dúvida alguma esse lugar é a Itália!



Em que outro lugar do mundo podemos nos impressionar com as grandes obras da antiguidade durante o dia, e ir aos céus saboreando uma massa dos deuses à noite? Onde mais temos a chance de desfrutar de um pôr-do-sol magnífico como o da Costa Amalfitana, enquanto ouvimos o clássico “Oh sole mio”? Em que outro canto podemos sentir queimar na pele “o sol da Toscana” enquanto sentimos o aroma dos campos de girassóis? Ah, meus amigos, uma combinação tão grandiosamente desenhada e elaborada, você só encontra na Itália!

Um país onde as uvas geram vinhos únicos, que harmonizam incrivelmente com a culinária mais perfeita do planeta! É impossível pensar na Itália sem considerar os prazeres do olfato e paladar, a beleza manifesta nas mais diversas paisagens, o som, ah, o som maravilhoso do idioma italiano (e todos os seus dialetos), e uma alegria calorosa que se sente na pele!  



Mas, enfim, vamos a algumas dicas úteis. A Itália é um país relativamente grande, para o padrão europeu pelo menos, e cheio de extremos. Existem diversos tipos de roteiros para quem quer visitar o país, curtos ou longos, mas posso garantir que a Itália tem itinerário para uma vida inteira!

Passei minha lua de mel por lá, um total de 19 dias. Não conseguimos nem de longe ver tudo que queríamos, mas foi o suficiente para nos apaixonarmos perdidamente e levarmos para casa uma imensa vontade de voltar!

Florença


Regiões

A Itália é subdividida em 20 regiões, que agregam paisagens tão diferentes entre si, difícil acreditar que fazem parte de um mesmo país! Enquanto o cartão postal da Campania são as praias lotadas durante o verão, e as ilhas de Capri, Sardenha e Sicília esbanjam barcos e iates luxuosos, um pouco mais acima, na região de Abruzzo, não é difícil encontrar os parques cobertos de neve! 

Pra quem quiser conhecer a fundo cada uma destas regiões, sugiro o Site “Viajando para a Itália”, o mais completo em português: http://www.vamosparaitalia.com.br/regioes.html

Aqui vou me ater às regiões que nós visitamos: Lazio, Campania, Veneto e Toscana.

Roma é a capital do Lazio, e concentra a maior quantidade de riquezas arqueológicas do País. Ali também fica localizado o Vaticano, atração à parte.

A Campania, cuja capital é Nápoles, engloba a lindíssima Costa Amalfitana, faixa de litoral rochoso que inicia-se em Sorrento, e segue até Salermo, passando por vilarejos incríveis como Positano e Amalfi, bem como a cidade serrana de Ravello. Deve ser visitado de preferência no verão, principalmente se a intenção é curtir uma praia! Outra atração da região é o sítio arqueológico da cidade de Pompéia, que foi destruída pelo Vesúvio, vulcão que hoje molda a paisagem da região.

Veneto é a região onde está localizada a cidade de Veneza. Cidade única no mundo, vale uma visita em qualquer época do ano!

Por fim, a Toscana dispensa maiores apresentações! A região engloba cidades medievais, como San Gimignano, Montepulciano, Siena, dentre outras; o tesouro cultural do renascimento na cidade de Florença; a icônica torre de Pisa; bem como os campos de girassóis e os famosos vinhedos que são responsáveis por vinhos que se sobressaem entre os melhores do mundo, como o Chianti e o Brunello di Montalcino.

Cada uma das cidade que visitamos ganhará seu post próprio, prometo!


Clima

O clima na Itália é outro fator de mudanças drásticas! Enquanto no verão as temperaturas podem chegar perto de 40 graus, no inverno há neve em grande parte do país!

Os blogs que pesquisamos antes de conhecer a Itália diziam: a melhor época para visitar o país é na primavera, que não é tão quente nem frio, e nem chove tanto quanto no outono. Bom, mas como nosso casamento era no final de junho, não tivemos muita escolha, e fomos no auge do verão! E ouso discordar destas opiniões simplistas, pois acredito que a Itália tem roteiros que podem ser maravilhosos o ano inteiro!

Minha dica é, se você vai à Itália no verão, inclua mais destinos à beira mar, conheça as ilhas de Capri, Sardenha, Sicília, alugue um carro e percorra a Costa Amalfitana, dê um pulinho em Cinque Terre, conheça Veneza! E diminua os destinos arqueológicos, pois, posso afirmar, a combinação entre pedras (muitas pedras), tempo seco e muito sol não é das mais agradáveis.

Por outro lado, se você vai em uma época mais amena, esqueça um pouco o litoral (a água já fica muito gelada!), priorize os passeios culturais, bem como aproveite a região da Toscana de uma forma mais agradável! O que inclui tomar vinho o dia inteiro sem morrer de calor! Rsrs

Sobre viagens no inverno, não sou boa conselheira, pois sempre evito. O frio me espanta das ruas, o que a meu ver não combina muito com viagens... Mas, de qualquer forma, o inverno na Itália não é tão rigoroso como na maior parte da Europa (temperaturas abaixo de zero são muito raras), o que permite sim um bom passeio nessa época do ano!

Para maiores informações sobre o clima e temperaturas na Itália, veja as médias por cidade no link http://www.vamosparaitalia.com.br/clima.html .


Moeda

A moeda utilizada na Itália é o EURO. Atualmente temos enfrentado uma alta significativa do EURO em relação ao REAL, o que dificulta um o planejamento e exige um pé de meia um pouco maior!

Sobre a melhor forma de levar o dinheiro e gastar, eu até o ano passado tinha um “truque infalível” para conseguir economizar na cotação, que era levar em espécie o mínimo possível (geralmente o suficiente para um táxi e uma refeição), e sacar a maior parte do dinheiro na chegada, no próprio aeroporto, pois a cotação do saque nos bancos é bem menor que a praticada pelas casas de câmbio.

Mas... Eis que vem nosso querido governo e nos prova que nenhum truque é infalível para nós, brasileiros... A partir de agora, o IOF cobrado nos saques no exterior passou de 0,38% para 6,38%, o que nos deixa sem ter pra onde fugir! Ou gastamos a mais na cotação das casas de câmbio, ou pagamos a mais o IOF no saque no exterior. A mesma taxa será cobrada também nas operações a débito, inclusive travelcard.

Só resta a nós, viajantes de plantão, torcer para que a economia brasileira dê um “up” e empurre o REAL pra cima de novo né? Não custa sonhar! 


Costumes

O povo italiano é conhecido pela sua alegria de viver, o que nos aproxima deles de certa forma. Em comparação com o restante da Europa, em nenhum outro lugar você vai se sentir tão “em casa” como lá!

O que assusta um pouco no jeitão italiano é o fato de ele ser “efusivo demais”, o que às vezes pode parecer grosseria. Mas não é, garanto! Um italiano nunca conseguirá ser cirurgicamente grosso como um francês ou um inglês! Ele pode até levantar o tom de voz, mas logo depois solta uma gargalhada que te deixa até sem graça!

Sobre costumes italianos, creio não haver muitas diferenças significativas. A religião predominante é a católica, o país não tem muita violência, mas é preciso ter cuidado com pequenos furtos em algumas regiões, como Nápoles, por exemplo. É um povo bem família, que em regra trata bem as pessoas, dão valor ao seu país, sua culinária, seu povo e seus costumes.

 Jogo da Itália em Roma



Culinária

Bom, o que falar sobre a cozinha italiana? Há alguém que consiga encontrar defeito em alguma receita da nonna?

Na minha humilde opinião, a comida italiana é a melhor do mundo e ponto. Não importa se você reservou o melhor restaurante da cidade ou se resolveu comer na pizzaria da esquina do seu hotel, você tem 99% de chances de comer uma refeição memorável!

Quem nunca foi a Itália pode ter a ilusão de que conhece a comida italiana, afinal, todo mundo conhece, não? Eu também achava isso! Mas as refeições que tive naquele lugar me trouxeram dois pensamentos: um, por que não se come isso em todos os lugares do mundo? E, dois, como é que esse povo consegue ser magro, Dio mio??? 

Em Roma conheci a verdadeira pasta italiana, de um sabor simples e inexplicável, resumível em três palavras: spaghetti a carbonara!!! Em Nápoles provei a famosa “verace pizza napoletana”, que foi a origem de todas as pizzas do mundo, e tem um charme todo especial. Na Costa Amalfitana arrisquei as receitas mediterrâneas de peixes e frutos do mar, cozinhados das mais diversas formas, sempre finalizando com o Limoncello, que amei, claro! Na Toscana senti pela primeira vez o aroma inebriante da trufa, e me apaixonei perdidamente pelo seu sabor, um caso de amor eterno!

Amigos, afirmo com toda a certeza: depois de mergulhar no ritual do antipasti/primo piatto/secundo piatto/dolce (regado a muito vinho, claro), nenhuma refeição será a mesma!

E os três quilos que trouxe de volta pra casa? Valeram cada graminha!




Bom, essas são as impressões gerais que tive sobre a Itália! Prometo que falarei de cada uma das cidades que visitamos, com dicas úteis para os viajantes e aqueles segredinhos que descobrimos por acaso!

Espero que tenham gostado!

Marcela



Por: Marcela Silva Bezerra

4 comentários:

  1. Aaiiinnnn.... fiquei morrendo de vontade de conhecer a Itália e já sei quem será minha guia hehehehe

    ResponderExcluir
  2. E essas fts de comida aí..... sacanagem com uma mulher grávida!!! kkkkkk

    ResponderExcluir
  3. Aaainnn... já estou ansiosa pelos próximos post!!! Eu queeero!

    ResponderExcluir